Quarta-feira, 23 de Novembro de 2005

Conversas com sabor a especiarias....

especiarias.jpg

Há uns tempos atrás escrevi um «post» num momento de nostalgia. Não quis colocar esse «post» no meu blog. Foi colocado num «blog amigo» que já «finou» .
Nesse «post» eu falava de saudades. Uma das minhas saudades eram de conversas com sabor a especiarias que duram e perduram. O tempo (ou a ausência dele) é um «serial killer» das conversas com especiarias. Nunca passamos de conversas superficiais, banais. Como se às vezes as palavras tivessem medo de se revelarem :)
Fiquem com uma carta aberta de um amigo em que o tema é «conversas com especiarias».

@ PrincesaVirtual

Sim, sou eu. Cá venho de novo, à procura do sabor a especiarias, tão típico das conversas que valem a pena.
De novo, e para além do sabor, não sei porque venho.
Garanto-te que não é para despejar mágoas. Essas conversas cheiram a mofo...e enjoam depressa...deixam-nos pegajosos...uma porcaria «autentiquíssima».
O que me apetecia mais e me fazia falta, era assim uma conversa do género desta do João Monge...

“Está na hora de ouvires o teu pai
Puxa para ti essa cadeira
Cada qual é que escolhe aonde vai
Hora-a-hora e durante a vida inteira

Podes ter uma luta que é só tua
Ou então ir e vir com as marés
Se perderes a direcção da Lua
Olha a sombra que tens colada aos pés

Estou cansado. Aceita o testemunho
Não tenho o teu caminho para escrever
Tens de ser tu, com o teu próprio punho
Era isto o que te queria dizer

Sou uma metade do que era
Com mais outro tanto de cidade
Vou-me embora que o coração não espera
À procura da mais velha metade”

Será que precisava de um pai? Acho que não. Apetecia-me era poder ser criança e decidir com a irresponsabilidade que lhes é própria. É que tanto me revejo na incerteza do filho, como no cansaço do pai.

E queres saber porquê? Porque a vida não é fácil! Porque os problemas existem! Porque fujo a encarar de frente um monte deles! Porque cada vez mais os caminhos por onde devo ir se afastam daqueles que quero percorrer! E essencialmente, porque não tenho a certeza de nada disto!

Estás muito calada! Não dizes nada!
Mas entendo-te...pouco há para dizer. Já me disseste antes que toda a gente sente o mesmo. Todos aqueles que estão vivos e não são amorfos. Não disseste? Disseste também outras coisas...que agora não recordo...mas que deixaram rasto de especiarias. O essencial de uma conversa é esse sabor, não é? Tu o disseste também...
Decreto-Lei decretado por PrincesaVirtual às 18:33

link do post | Alegações Plebeias | favorito
|
15 comentários:
De Anónimo a 30 de Novembro de 2005 às 14:20
Quase?????????... Princesa, contrata o Carlos! :)fdarkeyes
</a>
(mailto:fgsilva@isa.utl.pt)
De Anónimo a 30 de Novembro de 2005 às 09:46
Carlos quase que escreveste outro «post» com o teu comentário :)

De qualquer das formas apreciei bastante esse «baile» :)pluma(princesavirtual)
(http://www.princesavirtual.blogs.sapo.pt)
(mailto:plumacaprichosa@hotmail.com)
De Anónimo a 30 de Novembro de 2005 às 09:35
O paladar e as outras artes na consumação do baile



Estas linhas são dedicadas àqueles, apaixonados pelo lúdico ritual de colocar a alma e o corpo, exacerbando a sua criatividade, têm um relevante interesse pelos prazeres dos sentidos.



O paladar tem memória!



Ou deveríamos dizer que a memória tem paladar? O paladar é o sentido pelo qual distinguimos o sabor, e o órgão responsável por este sentido, é a língua … a mesma que beija …



O paladar envolve todos os sentidos.



A ele está ligado o olfacto, pois o aroma prefacia o sabor dos alimentos. A ele está ligada a visão, pois a aparência nos convida a saborear. A ele está ligada a emoção do antes, durante e depois, num conjunto de factores que compõem as nossas lembranças.



Continuando ………….



Os ingredientes, muito importante, são para o “prato”, "satisfação dos sentidos" , como as palavras para o texto. O uso destes deve primar pelo equilíbrio, nunca descuide da aparência, vista-se de acordo com a ocasião, não se preocupe em procurar o point da moda, o mais importante é o charme e esbanje sensualidade, nunca se esqueça do perfume, e a sua existência, baseada no sabor, aroma e textura, a música adequada, devem ter um significado cujo final é o “resultado” que desejamos, onde se brinda ao paladar.



A MAGIA DOS TEMPEROS



Quando inalamos o aroma de um prato preparado com ervas aromáticas, raízes, sementes ou caules, activamos as células nervosas das narinas, as quais transmitem o estimulo ao nosso cérebro, Então, o cérebro prepara os órgãos para o início do processo “gustativo”.



Tão subtis e ao mesmo tempo tão marcantes, os temperos dão o toque mágico e imprescindível a cada “prato”.



Para isso, é preciso saber quando e quanto deve fazer parte de cada receita, para que resulte numa composição perfeita de aromas e sabores, e assim, todos os sentidos sejam despertados e convidados a um passeio agradavelmente sedutor pelos caminhos do paladar.



Todo o prazer que pode envolver o paladar em um ritual, numa refeição quando degustada a dois, assume o papel de uma celebração, onde se alimenta o corpo e a alma, uma ocasião para “confraternização”, onde se vai ao encontro de momentos agradáveis, retribuindo com uma “viagem pela magia do paladar”.



Porquê as receitas se desenrolam em meio à acção e ambiente de um conto? Porque associo o ato de comer, (mais do que uma satisfação fisiológica), a todo um ritual de preparo e degustação, onde o paladar deixa de ser um sentido isolado, para se tornar, envolto no despertar de todos os outros sentidos, na celebração de uma emoção.



A palavra clima, luz de velas, lareira, pois o fogo realmente acende, vem do grego, quer dizer inclinação, referindo-se à dos raios solares, a qual determina a diferença de temperatura entre o equador e os pólos, e à do eixo da terra, responsável pelas quatro estações, as quais também são determinadas pelo movimento de translação que a terra executa ao redor do sol, determinando o acasalamento. O clima criado ajuda o desenvolvimento do paladar.



Na boca dos trovadores,



Nas palavras do poeta,



No enredo do romancista,



Nas tintas do pintor,



Nas formas do escultor,



Nos movimentos do bailarino,



No coração dos apaixonados,



Nos gestos contidos ou desvairados,



Nas formas nítidas ou subtis,



Em frases sugeridas ou declaradas... ...



o amor se exalta, se declama, se configura, e dá sentido à própria vida.



A Culinária é também um personagem constantemente presente, um “ Baile” onde se concentra todas as cenas em um só ambiente.



O Vinho, arte de degustar, saciei a sede, o êxtase da alegria, inebriando com a magia e essência do seu paladar.



Toda a sedução fica por conta de cumplicidade (que se torna visível aos olhos e perceptível aos sentidos) que se forma entre alimentos e sentimentos.


Carlos
(http://vagueando.blogs.sapo.pt/)
(mailto:c_m_a_n_u_e_l@hotmail.com)
De Anónimo a 28 de Novembro de 2005 às 12:38
Vim à procura de novidades... Mas deves andar ocupadita!

Fica bem e continua a sorrir!GNM
(http://www.extranumerario.blogspot.com)
(mailto:goncalonunomartins@iol.pt)
De Anónimo a 28 de Novembro de 2005 às 12:00
Que escrita bonita! Gostei! beijinhosmorgana
(http://www.morganices.blogspot.com)
(mailto:as2114532@sapo.pt)
De Anónimo a 28 de Novembro de 2005 às 10:19
Não acredito em princesas, mas este arranjo está divinal gosteiL.M
(http://luismiguel.blogs.sapo.pt)
(mailto:luismiguel.a@sapo.pt)
De Anónimo a 27 de Novembro de 2005 às 22:10
Acrescento ainda: Katie Melua canta divinamente e eu tenho-o lá no blog.augusto
(http://bicodepena.blogs.sapo.pt)
(mailto:brilhanteribeiro@sapo.pt)
De Anónimo a 26 de Novembro de 2005 às 21:37
Nesta correria louca do dia a dia,as pessoas vão-se esquecendo de conversar.Eu ainda prezo e muito os momentos de conversa com os amigos,não abro mão de todas as semanas me reunir com amigos (as) para uma boa conversa.Podem ser só disparates,mas aqueles momnetos para mim são preciosos.Fizeste-me recordar uma conversa que um dia tivemos,onde cada um se identificava com uam especiaria.Devo dizer que eu era a pimenta ehehe.
Princesa fiquei encantada com a tua vénia,espero encontrar-te mais vezes.
1000 beijocas e bom domingokaldinhas
(http://kaldinhas1.blogs.sapo.pt/)
(mailto:kaldinhas@sapo.pt)
De Anónimo a 26 de Novembro de 2005 às 11:51
Conversas saborosas que se vão perdendo nesta lufa-lufa dos dias... Bom fim de semana com um beijinho plebeu com aroma de canelaNando
(http://http//cantinhodeazul.blogs.sapo.pt)
(mailto:ferochcar@sapo.pt)
De Anónimo a 25 de Novembro de 2005 às 10:41
Claro wladimir. Seja bem vindo ao meu reino :)pluma(princesavirtual)
(http://www.princesavirtual.blogs.sapo.pt)
(mailto:plumacaprichosa@hotmail.com)

Alegações Plebeias...

.Audiências Reais com a Princesa Virtual: PrincesaVirtual@sapo.pt

.pesquisar

 

.Novembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Decretos-Lei Recentes

. ...

. Era uma vez uma Princesa ...

. Quando o cristal se estil...

. COMUNICADO REAL...

. À conversa com uma CABRA!...

. Pastilhas...

. Os Mapas, as mulheres e o...

. As vantagens/oportunidade...

. A SMS.....

. Criteriosa....

.Decretos-Lei Antigos

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.Nobreza que visito

.Livro de visitas

.Aqueles que me estão a visitar agora mesmo...

.Alguém os viu???

.A orquestra a tocar

.Levem a Princesa (salvo seja) - o seu selo...

blogs SAPO

.subscrever feeds