Segunda-feira, 10 de Julho de 2006

Apetecia-me...Apetecer-te...

@ www.asasnegras.sapo.pt é um dos blogs mais antigos que visito. Aconselho vivamente a visita ao mesmo. A sua autora CROWE escreve de uma forma deliciosa e encantadora. O nick soturno e negro ou o nome do blog, nada tem a ver com as suas palavras coloridas, quer na forma de poemas, contos, opiniões, sentimentos...and so on.

 Reconheço-lhe uma qualidade na escrita, que não tenho e que invejo.

Escreveu um conto para o meu «blog» em resposta a um pedido de «socorro» que lancei num dos meus «posts» . Diz ela que tentou escrever algo que tivesse a ver com o meu «reino».

E não é que acertou???

BINGO  este conto tem tudo a ver com o blog da Princesa!!!

Com os cumprimentos da vossa (salvo seja) Princesa  deixo-vos com a minha amiga CROWE

=========================================================================

A saia azul dançava à sua volta acariciando o vento como uma mãe passa a mão no cabelo do seu filho enquanto dorme. O Olhar perdido num pedaço de papel e um sorriso rasgado no rosto. Seria com certeza uma boa notícia.
Atrás das lentes escuras e enormes dos meus óculos de sol observava sem motivo algum… mas observava por me sentir presa ao sorriso rasgado e ao baloiçar da saia.
Abandonei a custo a observação e a melancolia. O dia de hoje era um dia apetece-me apetecer-te! Mas sabia que antes do sol abandonar o meu hemisfério eu teria de rebaptizar o meu dia.
Atravessei o Jardim da Estrela, fugi de um outro táxi e olhei a imponência da Basílica à minha frente. Senti-me pequenina!
Apetecia-me ser maior… sentir melhor… apetecia-me uma pistola com munições capazes de aniquilar o enorme «elefante» que tinha sentado no peito. Ele, tocou-me no ombro e arrancou-me dali sem que o «elefante» se levantasse do meu peito. Custava-me respirar! Arranquei a gravata mas entrei na Basílica cheia de gente sob a protecção das lentes imensas dos meus óculos e ele a puxar-me para a sacristia. Eu ia tentando imitar o sorriso da rapariga da saia azul enquanto os meus sapatos de salto agulha magoavam o mármore do chão. Ia ouvindo os comentários velados, escondidos entre dedos. Vi os meus pais e fiz um beicinho perante o olhar reprovador da minha mãe e o esgar forçado do meu pai, prestes a ter um ataque de riso.
- Despacha-te! Estão todos presentes só faltas tu! Anda despe-te depressa e enfia o vestido. - Dizia-me ele. Sentei-me numa cadeira e atirei os sapatos. Ele ajoelhou-se aos meus pés e retirou-me os óculos. Não pregaste olho esta noite pois não?
Acenei que não. Ele soltou-me o cabelo e tirou-me o casaco. - Eu também não. Acordei num hotel com isto!- mostrou-me o símbolo do infinito tatuado no pulso esquerdo. O «elefante» pressionava-me o peito. – Mas cheiras bem!
- Tomei banho! - lá lhe respondi e peguei no vestido cor-de-rosinha.- Tinha mesmo de ser cor-de- rosa? Odeio esta merda desta cor!
Ele levantou-se e pegou-me no queixo. – Cheiras a sexo! - O «elefante» pulou em cima do meu peito. E ele olhava-me nos olhos. - Sexo, foi por isso que te atrasas-te? - fugi com o rosto.
- Também tresandas a sexo…Deixa-me vestir! Não quero atrasar mais este casamento. Pede a alguém que me venha ajudar.
- Já te vi nua mais vezes. – Olhei para ele. - Mas sim mando cá alguém ajudar-te! Isso tem mais saiotes que uma sai da Nazaré. Não me vais dizer com quem estiveste? Vamos mesmo para a frente com isto sem que eu saiba?!
Empurrei-o. E fechei a porta. Apetecia-me ser a mulher da saia azul a acariciar o vento e um sorriso provocado por um pedaço de papel. Mas vesti o trapo cor-de-rosinha e deixei que me escondessem as olheiras e prendessem o cabelo. Saímos pela porta lateral e entrei na das damas de honor ao som da marcha nupcial. Que piroseira! Apetecia-me … apetecia-me! Fiquei com os olhos fixos em ti e até que o «elefante» se levantou e eu respirei. Não havia música pirosa, nem vestidinho nazarena versão cor-de-rosinha… havia o meu desejo a concretizar-se: Eu apetecia-te! Apesar de tudo!
Desapareceu uma cabeça com flores cor de rosinha, depois outra, depois outra… tu cada vez mais próximo… e eis que chego até ti e tal como as outras me desvio para a esquerda, revelando a visão de branco atrás de mim: aquela que seria oficialmente tua mulher. Aquela a quem aquietei o chão até ti.
O «elefante» sentou-se sobre o meu peito e já nem conseguia respirar…entre um copo e outro, um esforço e outro ainda maior consegui sobreviver àquele dia e noite… não conseguia vir-me embora… só conseguia olhar para ti! Enquanto dançava com o teu irmão vieste interromper… e como nos tempos de liceu rimos como tontos os três enquanto dançávamos juntos. Os teus pais passaram e riram da nossa figura tantas vezes retratada.
- Vá vem dançar comigo. Agora sou um homem casado e respeitador!
Dançamos uma daquelas musiquinhas «pop» que a tua visão em branco tinha escolhido como reportório. Olhei para ti!
- Ainda cheiras a sexo!- e deixaste que o odor te afogasse os pulmões. – Parece que existe alguém que marcou mais do que…
Apetecia-me… Abanei a cabeça e soltei o cabelo. E juntinho ao teu ouvido sussurei tanto quanto o meu «elefante» permitiu:
- Sim, sempre deixas-te em mim uma impressão! - Olhei-te nos olhos. – A última será permanente em ambos.
Ele olhou-me…coloquei o meu pulso esquerdo junto do dele.
 
 

 

sinto-me:
Decreto-Lei decretado por PrincesaVirtual às 23:07

link do post | Alegações Plebeias | favorito
|
18 comentários:
De Lurdes a 11 de Julho de 2006 às 10:27
Bonito conto! Fiquei com apetite de devorar mais palavras assim tão bem emparelhadas!
Beijnhos
De PrincesaVirtual a 11 de Julho de 2006 às 23:42
Passa pelas asas negras vale apena Lurdinhas :) beijosss
De Vlad a 11 de Julho de 2006 às 12:47
A Crowe é de facto grande!! Esta parceria entre vocês as duas deixa o resto da população roída de inveja... não precisam de um escriturário para a sgps ?
Bjnhs
De PrincesaVirtual a 11 de Julho de 2006 às 23:44
Coisas de meninas VLad...menino não entra ehehe ;) beijos

Ps por onde andaste hemmm????
De falaparadentro a 11 de Julho de 2006 às 14:27
Está engraçado e bem escrito, o conto.

Deixo aqui, contudo, a minha opinião, como leitor assíduo deste blog, sem menosprezo para este ou qualquer outro texto de quem responda ao teu SOS: não é a mesma coisa e descarateriza o blog. O que não é mal nenhum, nem eu tenho nada a ver com o assunto, como é evidente.
Mas é a minha opinião.
Beijinhos, Princesa Preguiçosa!
De crowe a 11 de Julho de 2006 às 15:21
Eu pensei ... pensei... pensei... e depois pensei outra vez antes de escrever este comentário! E as primieras coisas primeiro: Agradeço-te miúda! Pelas palavras simpáticas e depois agradeço a todas as pessoas que comentaram mas agradeço mesmo ao Fala para dentro que tão bem falou para fora porque a sua opinião dado que me conhece e comigo ja escreveu umas linhas é mesmo muito importante! Beijocas linda majestade e de mim disponha para o que precisar.
De PrincesaVirtual a 11 de Julho de 2006 às 23:45
Não tens que agradecer nada Crowe...meu reino tua casa :D beijosss
De falaparadentro a 11 de Julho de 2006 às 17:19
Depois de ler o comentário da Crowe, pensei, pensei, pensei, pensei....e pensei, e tornei a pensar...e depois vi que não havia necessidade de pensar tanto. Mas no entretanto, enquanto pensava, pareceu-me (e posso estar enganado, mas pelo sim pelo não...) que tinha sido mal interpretado, ou que me tinha exprimido mal (manda a educação que a minha mãezinha e o meu paizinho me deram, achar que foi esta segunda e não a primeira).

Vai daí, a ver se me explico melhor, que corro o risco de ter sido mal interpretado e eu não sou de correr riscos, que isso é para Homens e não para ratos nem para falaparadentros (eheheheheh!!):

1. Quanto ao “post”:
Gostei do conto. Tem sentir e tem pulsar. E está muito bem escrito. Não é de admirar, tendo sido escrito por quem foi. Lê-se, e “cheira a Crowe”. Já várias vezes elogiei (e muito) as qualidades da escrita da Crowe (e elogiarei as que forem preciso mais), como ela muito bem sabe. Já me atrevi (como ela muito bem diz) a escrever um texto a meias com ela (vi-me e desejei-me para acompanhar a pedalada...). Quanto à apreciação do post, é o essencial.

2.Quanto ao resto:
Apenas quis dizer que, quando vou a um determinado blog que costume ler, vou lá à procura de determinadas “coisas” (assuntos, estilos, formas de escrita, sei lá...). Quando não as encontro fico “desiludido”. Na maior parte das vezes desconheço a razão pela qual estão lá “outras coisas” em vez das que procuro. Por isso “como e calo”. Calha, neste caso, ser um blog muito característico, com um estilo muito próprio e marcado. Calha ser evidente a razão da minha “desilusão” (o post tem um estilo que não é o das coisas que aqui venho à procura). Calha também eu conhecer a autora do post, o que me deixou mais à vontade para escrever o que escrevi sobre a “descaracterização” do blog. E prontos. A minha intenção era só dar uma opinião construtiva, e nunca meter-me na linha editorial do blog.

À Crowe, as minhas desculpas pela deficiente expressão da minha ideia no comentário anterior.
À Princesa, as minhas desculpas pelo espaço ocupado.
De PrincesaVirtual a 11 de Julho de 2006 às 23:46
Fala para dentro...por quem sois meu reino tua casa :D (na tarda toda a gente é dona do meu reino ehehe...) beijos :D
De Manefta a 11 de Julho de 2006 às 20:16
Bonito conto, gostei.


Beijos

Manefta
De PrincesaVirtual a 11 de Julho de 2006 às 23:47
Eu tb gostei bastante manefta...bem vinda ao meu reino :) beijos
De crowe a 12 de Julho de 2006 às 08:16
=) Sai uma dose de mimo para o blog que é reino! Correndo o risco de isto parecer um chat(;P) com tanta resposta e agradecimento... estas coisas fazem-me pensar, e pensar e pensar...enfim... Obrigada pela simpatia e generosidade! beijinhos doces e miminhos até ao horizonte
De igara a 12 de Julho de 2006 às 09:25
Ora bem, eu vim cá hoje e não reisti a comentar. Gosto muito do texto. A Crowe tem uma forma de escrever estas histórias que muito me agrada, quando deixa ao critério da nossa imaginação todos os finais que lhe quisermos dar. Já lhe disse várias vezes o quanto gosto de a ler e volto a dizer-lho agora. Princesa, eu também acho que este conto tem a ver com o teu blog, porque manteve a fasquia alta em termos de escrita, como é apanágio do teu blog. Um beijo para as duas :) ahh e abracinho também....
De paulo a 16 de Julho de 2006 às 19:00
Brilhante texto, duma carga sensual/erótica muito intensa, onde os odores são o tema. E esse é um tema muito interessante, pois sempre considerei os cheiros como uma entidade, dentro da nossa identidade. Não conhecia a autora, vou ter que passar pelo seu blog, pois deve ser inspirador.
Princesavirtual, este teu cantinho é agradável. ;))) Beijocas
De passo a 21 de Julho de 2006 às 09:31
:))) apetece-me sorrir, apetece-me sonhar, apetece-me ... algo :) belo conto a vida as vezes é mesmo estranha complicada ou seremos nos q a complicamos? :) bjokas

Alegações Plebeias...

.Audiências Reais com a Princesa Virtual: PrincesaVirtual@sapo.pt

.pesquisar

 

.Novembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Decretos-Lei Recentes

. ...

. Era uma vez uma Princesa ...

. Quando o cristal se estil...

. COMUNICADO REAL...

. À conversa com uma CABRA!...

. Pastilhas...

. Os Mapas, as mulheres e o...

. As vantagens/oportunidade...

. A SMS.....

. Criteriosa....

.Decretos-Lei Antigos

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.Nobreza que visito

.Livro de visitas

.Aqueles que me estão a visitar agora mesmo...

.Alguém os viu???

.A orquestra a tocar

.Levem a Princesa (salvo seja) - o seu selo...

blogs SAPO

.subscrever feeds