Segunda-feira, 11 de Julho de 2005

O mar, eu, o muro e a Lídia...

mar.jpg

Estava sentada no muro. Eu, o muro e o mar. Não… o mar, eu e o muro. Sim era essa a ordem. Parece estranho, mas não é!!! A ordem tem que ser esta, tem tudo a ver com o que sentimos primeiro. E naquele dia sentia o mar em primeiro lugar. Queria ser o mar, doía-me a vista de tanto olhar para a «fina linha do horizonte» e esperar que algo surgisse. Não sei bem o quê, mas ALGO.

Andava estranha desde esta manhã, e tomei uma decisão. Antes do almoço, «baldei-me», arranjei uma dor de cabeça, uma má disposição, ouvi um colega sussurrar «deve estar nos dias difíceis», aproveitei a deixa, coloquei a mão na zona dos ovários e fiz um pequeno esgar de cólica. E «voilá» ali estava eu e o mar.

Estava um sol quente, mas não demasiado quente e uma brisa fresca que me trazia o cheiro da maresia. Era um dia de Primavera perfeito. Pouca gente, apenas uns pescadores junto aos barcos a remendarem umas redes. Se não fosse aquele «frio no estômago», seria um dia perfeito. Mas que raio teria eu hoje!!!

Tinha sido um fim-de-semana normalíssimo. Se bem que sempre que olhava para o João algo me perturbava mas também não entendia bem o quê. Seria o seu olhar distante? O desviar dos seus olhos, sempre que se cruzavam com os meus??. Sábado á noite depois do jantar enroscámo-nos no sofá, a ver um filme e a beberricar um «chá de canela». Tinha brincado com o poder afrodisíaco da canela. Mas apenas recebi um sorriso, não vi o olhar malandro, não recebi um beijo, uma carícia. Sim, era o João. Ele estava distante.

Bolas isso não era nada bom!!! Tinha andado a ler uma daquelas «novelas de cordel», e era assim que começava tudo, um olhar distante, um papel num bolso de umas calças esquecidas no chão, uma sms, ahhhh e a marca do batom no colarinho imaculadamente branco da camisa dele. Lembrava-me do nome da amante era Lídia. Foi um sofrimento atroz para todas as personagens, dei por mim com uma lágrima ao canto do olho, que tentei limpar e disfarçar, era ridículo estar a chorar com um livro daqueles.

Bolas, não era mulher para ser traída. Nunca me vi nesse papel. A infidelidade não fazia parte do meu dicionário de uma «relação».
Mas agora pensando bem … ele não largava o telemóvel este fim-de-semana e lembro-me que ouvi imensas vezes aquele «bip-bip», de mensagens a chegar.

Porreiro agora estava mais do que estranha. Estava com uma sensação de «peso» no coração e acima de tudo na testa. Mas isto não iria ficar assim, ai não … já sentia o calor do despeito, da ira, da zanga e acima de tudo da tristeza.

Continuava a olhar para o mar, mas o que via era imagens que rebentavam a cada onda, umas atrás das outras. Eu a apanhar o João em casa com a outra mulher, a discutirmos, ele a dizer-me que não me amava, que gostava de mim como amiga, que queria continuar a ser meu amigo. E por fim a ultima cena, eu jogada em cima da cama a chorar como uma «Maria Madalena» e ele a ir buscar a máquina de barbear, a escova de dentes e a bater a PORTA.

BOLAS, maldito livro!!!! Tinha-me tornado uma personagem viva do livro. Bom, chega!!! Aquele local, Sesimbra, também não era muito bom para os meus pensamentos. Adorávamos ambos Sesimbra e cada recanto era uma recordação. Ele trabalhava em Almada, pensei em lhe dar um telefonema, era 1 hora da tarde, talvez ele quisesse almoçar comigo. Mas pensando melhor, estava de mau humor, não seria boa companhia, seria melhor acalmar-me e almoçar sozinha.
Dirigi-me para o nosso restaurante, um daqueles restaurantes que tínhamos encontrado há alguns anos, numa daquelas ruas estreitinhas, tinha aspecto de «tasca». Mas o peixe era delicioso e fresquinho.
Tal como esperava estava quase vazio. Havia apenas um casal a um canto e uma ou outra pessoa espalhadas pela sala. Sentei-me num mesa banhada pelo sol, fiz o meu pedido e diverti-me a ver passar as pessoas, enquanto me perdia novamente em pensamentos. Mas algo me chamou a atenção, pela familiaridade. Um inclinar da cabeça, o passar os dedos pelos cabelos, a gargalhada!!!!!! Não era possível!!! IMPOSSÍVEL!!!

Levantei-me, respirei longamente e dirigi-me para a mesa onde estava sentado o casal. E disse com a voz mais calma do mundo …«Olá João, que coincidência encontrar-te aqui».
Esperei para ver a sua reacção, vi espelhado o espanto, fixou-me nos olhos e disse-me «Ana, é verdade que coincidência…olha queria aproveitar para te apresentar uma pessoa a Lídia».

Uma vertigem sacudiu-me o corpo todo, fechei os olhos por momentos. Tentei controlar os sentimentos que me estavam a assolar…mas Lídia era o nome da infame!!! A amante!!! Ali estava a prova viva da infidelidade. A racionalidade abandonou-me, a fúria tomou conta de mim e ….Disse-lhe tudo!!! Que o amava, que nunca achei possível que ele me traísse, que me achava bem mais bonita que a Lídia, que não merecia que ele me tratasse assim e que não, não queria ser só amiga dele, que essa amizade me magoava.

Quando parei, reparei que o João olhava atónito para mim (assim como a parca clientela da tasca), que a Lídia estava branca como a «cal» e eu ainda a tremer de raiva. Foi quando ouvi «Ana, queria-te apresentar a minha nova chefe, acabei de aceitar a proposta de um novo emprego, depois de ter hesitado bastante».

Demorei 1 mês a reconciliar-me com o João, 8 anos para que ele deixasse de me relembrar (dia sim dia não) a minha figura naquele dia, vários jantares para que a Lídia percebesse que afinal era uma pessoa normal (apesar de tudo tinha gostado do João e ele ficou com o lugar) e bom…os romances de cordel foram proibidos lá em casa.

@ Deixem-me fazer um reparo, esta Estória é ficticia. Se me poderia ter acontecido? SIM. Com 20 anos seria capaz de isso e muito mais. Agora??? Humm agora há quem diga que o faria assim também :) mas com mais certezas, e sem duvida com mais requintes de «malvadez»
Decreto-Lei decretado por PrincesaVirtual às 11:00

link do post | Alegações Plebeias | favorito
|
7 comentários:
De Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 14:49
Acreditar em princesas? depende do sentido da pergunta. Se a pergunta é em relação à sua existência física!moro num país monárquico. Se é em relação ao que dizem ou fazem! ... bem, eu acredito nas pessoas, independentemente do que são ou fazem.

Quanto à pergunta de saída. "sim estou convencido" tanto que tenho voltado todos os diascarlos
</a>
(mailto:carlos.alberto@ntlworld.com)
De Anónimo a 12 de Julho de 2005 às 15:44
hehe coitado do João .... ainda bem q são meras personagens .. nem kero imaginar como seria esse "requinte de malvadez" heheheehhe mt bem dona Pluma cont. tou a gostar :)Passo
</a>
(mailto:Passodianisto@hotmail.com)
De Anónimo a 12 de Julho de 2005 às 10:53
Uma história bonita e que quando a começei a ler tive a sensação de um dejá vu. Tambem gosto do mar e porque não dizer? É um pouco confidente. Lê o "uma pedra no caminho" e "o pardal e o mar" são histórias verdadeiras. Um beijo Nando
(http://http//cantinhodeazul.blogs.sapo.pt/)
(mailto:ferochcar@sapo.pt)
De Anónimo a 12 de Julho de 2005 às 10:07
Pois é! É por isso que não gosto que as minhas filhas vejam telenovelas! Ele há coisas que não são bem assim na vida! Nem tudo o que parece é, e há coisas que não parecem e que são cá de uma maneira....! Agora, que estás cá com um manancial de criatividade, manita, disso não há duvida! Tiro-te o chapéu.... ;)fdarkeyes
(http://umacoisadecadavez.blogs.sapo.pt)
(mailto:fdarkeyes@sapo.pt)
De Anónimo a 12 de Julho de 2005 às 02:36
Uma mulher traída é capaz de tudo para defender o seu amor.Eu que o diga,porque já assisti a várias cenas.Um beijo.Aníbal
(http://mourani.blogs.sapo.pt/)
(mailto:mourani2@sapo.pt)
De Anónimo a 11 de Julho de 2005 às 11:28
Zulinha que coisa, realmente, digo-te mais, é caso para acabar com livros, novelas, radionovelas, e outras coisas afins. Mas devo de te dizer, faria exactamente o mesmo que fizeste...sem tirar nem pôr, mesmo sabendo que havia de penar 8 anos, dia sim dia não! hahahahhaha um beijo azul, azul como o mar! ::)))igara
(http://www.bloguiando.blogs.sapo.pt)
(mailto:igara@sapo.pt)
De Anónimo a 11 de Julho de 2005 às 11:20
2 comentários:

1 - Estou cada vez mais impressionado com a tua escrita. Estás brilhante... simplesmente brilhante.!
2 - Quanto aos "factos" : Espero que tenhas aprendido a não fazer "pré-juizos", a confiar mais, a seres mais segura de ti...
Nem sempre o que parece é...ainda que o contrario também seja verdadeiro...
NN
</a>
(mailto:NHenriques@sapo.pt)

Alegações Plebeias...

.Audiências Reais com a Princesa Virtual: PrincesaVirtual@sapo.pt

.pesquisar

 

.Novembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Decretos-Lei Recentes

. ...

. Era uma vez uma Princesa ...

. Quando o cristal se estil...

. COMUNICADO REAL...

. À conversa com uma CABRA!...

. Pastilhas...

. Os Mapas, as mulheres e o...

. As vantagens/oportunidade...

. A SMS.....

. Criteriosa....

.Decretos-Lei Antigos

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.Nobreza que visito

.Livro de visitas

.Aqueles que me estão a visitar agora mesmo...

.Alguém os viu???

.A orquestra a tocar

.Levem a Princesa (salvo seja) - o seu selo...

blogs SAPO

.subscrever feeds